Antes e depois

Já viram aqueles Instagrans de maquiadores que postam o antes e o depois da cliente? Esta parece ser uma boa balança para apresentar o trabalho deles, mas, como será que tal transformação escancarada, em plena rede social, interfere em nosso psicológico? É inevitável, todas temos algumas inseguranças relativas à aparência que acabam influenciando a forma como vivemos e como nos comportamos.

A make pode ter um papel inclusivo na sociedade

Dias atrás vimos uma matéria com o seguinte subtítulo: “A make pode ter um papel inclusivo na sociedade”. Está matéria ressaltava a importância da maquiagem para quem luta diariamente com a aceitação da sociedade. Mulheres com problemas de acne cística e crônica, vitiligo, cicatrizes aparentes e outros traços que fazem parte da individualidade de cada uma, muitas vezes sentem necessidade de disfarçar essas características com maquiagem, ficando mais confiantes com a transformação que um pouco de base e corretivo podem fazer. A matéria ainda menciona sobre a fase da adolescência onde o papel inclusivo da maquiagem é evidente: ao disfarçar espinhas, manchas e oleosidade excessiva com make, as meninas se sentem mais seguras e menos expostas aos olhares críticos que são tão comuns e fragilizantes nesta idade.

Sério mesmo?

Mas, pera lá gente, é sério isto? Será que nós mulheres achamos normal lermos coisas do tipo: “Make aliada a um papel inclusivo na sociedade”, oi?? E onde entram aqueles homens que também têm uma pele ruim? Eles não têm o privilégio de usar make ou se abstém desta quase obrigação para serem aceitos?

Como traçar essa linha

Antes de considerar nosso gosto por ter uma pele lisinha e sem pelos , ou qualquer outra coisa que pode ser vista simplesmente como “gostos pessoais”, jogamos mais algumas perguntas: como definir até aonde o que gostamos é simplesmente um gosto pessoal e a partir de quando ele começa a ser influenciado pelo desejo de socialização, pela mídia ou por alguma pressão? Como podemos traçar essa linha? Como podemos garantir a nós mesmas que nossos gostos não são influenciados pelo que fomos socialmente ensinadas ou obrigadas a gostar?

Reflita

Faça sua reflexão dos motivos que te fazem gostar do que você gosta. Maquiagem seria sinônimo de autoestima/cuidado próprio ou de baixa autoestima/ditadura da beleza?

Hoje não trouxemos nenhum tipo de resposta, apenas pensamos que vale a reflexão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *