Eu tenho culpa?

Por aqui sempre tratamos sobre a ditadura da beleza, lutamos contra os padrões impostos pela mídia e falamos muito sobre a pressão que a sociedade exerce sobre nós mulheres. Mas, hoje sem “mimimi”, vamos assumir nossa parcela de culpa e te convidamos a assumir a sua também.

 

Listinha de culpa assumida

1- Primeiramente, tudo o que nos acontece é de nossa responsabilidade e não culpa. A culpa é um sentimento ruim capaz de travar nossas ações. Portanto, vamos começar de novo…

 

Listinha de responsabilidade assumida

1- Verdade seja dita: a primeira coisa que reparamos quando conhecemos alguém é se achamos a pessoa bonita ou não.

2- A ideia de um padrão imposto acontece porque, muitas vezes, não somos capazes de enxergar a nossa própria beleza.

3- A sua maior defesa contra o bombardeio dos “padrões impostos” é saber que você é a única responsável por controlar aquilo que você é. Você é a única pessoa que pode impor algo a você mesma.

4- Desmistificar a ditadura da beleza não é tentar advogar contra um mercado recheado de propagandas apelativas, de modelos utópicas e de necessidades criadas, e sim assumir nosso poder de percepção e discussão sobre o assunto.

5- Se não trabalharmos nosso próprio poder de escolha e a nossa autoestima, a indústria não deve ser vista como a grande vilã, uma vez que ela só oferece o que consumimos.

6- Por mais que alguém tente nos ajudar, só conseguimos sair de determinada situação quando decidimos fazer isto. Você deve dar o primeiro passo e se sentir mais motivada para assim trilhar suas realizações.

7- Por mais que as justificativas de não sair do lugar sejam verdadeiras, não são elas que nos levam para mais longe ou nos fazem uma pessoa melhor.

8- Falar é realmente mais fácil do que fazer. Sair da zona de conforto (aparentemente confortável, porém destrutiva) e partir para a ação é mais difícil porém é necessário.

9- Tudo de errado que acontece em sua volta pode ser melhorado começando por suas atitudes e por sua visão de mundo.

10- Quando nos colocamos numa posição de vítima das circunstâncias, simplesmente permitimos que tudo e qualquer coisa nos atinja.

Assuma a responsabilidade da sua vida

Tome consciência de que suas ações geram resultados, e você é capaz de decidir se esses serão positivos ou negativos. Se você tem passado por algum momento complicado, assuma a responsabilidade da sua vida, sem vitimismo ou piedade de si própria.

Talvez essa seja a lição mais dura a ser aprendida, porém também é a mais importante. Anotado? Beijos e até quinta!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *